Penápolis, Quarta-Feira, 14/11/2018 PrincipalFale conosco
Busca
Principal Sobre o Santuário Os Freis Evangelho do dia Horários Notícias Fale conosco
 
Cadastre seu e-mail e receba uma mensagem de paz em sua caixa postal todas as semanas
Nome
E-mail
Notícias e Comunicados

DIA DE FINADOS- 28/10/2009

DIA DE FINADOS
 
O ciclo natural do homem é: nascer, crescer, envelhecer e morrer. Nem todos conseguem se transpor por essa evolução, há os que morrem ainda infante, os que partem enquanto jovens, de formas inesperadas e por razões infinitas.
A maior certeza que alguma pessoa possa conter é que seguramente um dia irá morrer. No entanto, por maior que seja essa verdade, o ser humano não esta preparado para este tipo de perda. Para amenizar esta dor irreparável e diminuir a saudade pelos que já se foram, muitas pessoas do Brasil têm o costume de fazer orações, acender velas, visitar os túmulos e levar flores. Mas, é no dia de finados, 02 de novembro, que essa pratica se intensifica.
O dia de finados foi criado em tributo às pessoas falecidas. Nesta data, milhões de pessoas se mobilizam para prestar homenagem aos mortos. É uma tradição que teve inicio há muitos séculos atrás.
Sabe-se que os cristãos por volta dos séculos I e II, já rezavam pelos falecidos e no século IV missas eram celebradas nesse sentido e foi no século V, que a igreja destinou um dia por ano para rezar por todos os mortos. No século XIII o dia 2 de novembro tornou-se dia anual por todos os mortos.
De acordo com a concepção católica os vivos devem rezar pelos que estão no purgatório. Purgatório é o lugar onde as almas são purificadas antes de irem ao céu, estas almas têm de padecer para que possam ser purificadas de seus pecados. Os membros vivos da igreja podem ajudar as almas através de orações e boas obras.
Não são todas as religiões adeptas a essa doutrina. Por exemplo, protestantes e evangélicos não se submetem às tradições católicas. De acordo com os seus princípios a salvação de uma pessoa esta sujeita unicamente na sua fé em Cristo que deve ser declarada durante sua existência na terra, sendo que após sua morte, já estará sujeita ao julgamento divino. Eles (protestantes e evangélicos) ainda crêem que vivos e mortos não podem se comunicar em hipótese alguma. Por isso, protestantes e evangélicos, observam o dia de finados apenas recordando dos momentos bons e marcantes vivenciados com os seus entes falecidos.
De acordo com algumas localidades a tradição de homenagear os mortos se altera. No México, por exemplo, os mortos são homenageados com festase com isso o país recebe turistas de todo mundo. Em países de religião budista, os mortos são homenageados com uma procissão e no Japão é ofertado arroz e algas, para alimentar as almas dos mortos. Como já dito, no dia de finados, é costume no Brasil visitar as sepulturas e levar flores aos mortos.
Independentemente, na crença de cada pessoa em relação à morte, todos têm a necessidade de expressar o carinho, a admiração e a saudade pelos que já se foram.
Pessoas que fizeram parte de sua vida, que merecem ser lembradas da maneira que preferir. Reverenciando-as e não permitindo cair em esquecimento.
 
 
QUAL A SIMBOLOGIA DO DIA DOS FINADOS? SERIA UM MOMENTO DE TRISTEZA OU DE ALEGRIA?
 
A morte sempre foi um mistério profundo para todos nós. E a Igreja propondo-se à celebração do Dia dos Finados logo após a celebração do Dia de Todos os Santos, outra intenção não tem senão nos colocar diante da vida para olhar o passado, o presente e, sobretudo, o futuro. Visitando o cemitério onde estão enterrados nossos entes queridos, debruçamo-nos sobre os nossos limites e fraquezas, confrontando-nos com o fato de que um dia também nós estaremos lá.
Lembremo-nos que a morte é um processo biológico natural e até necessário, pois nesta dimensão viver é o gradual esgotamento de toda a energia biológica. Um dia alguém me disse: "o nosso corpo é um casulo que se desfaz com a saída da alma para a eternidade, pois somos apenas hóspedes de passagem". Como se diz popularmente: “ninguém fica para semente”. Conclui-se daí, a necessidade de uma preparação contínua, pois a morte, como diz Jesus, pode nos surpreender no dia em que menos esperamos. E árvore cai do lado por onde pende... Aquele que a cada dia, se prepara para morte não será surpreendido e acorda na feliz eternidade. Cada dia costumo rezar esta oração: “Senhor que eu saiba receber a morte com confiança, paz, amor e resignação”.
Ademais, a lembrança de nossos mortos deve estimular-nos a viver uma vida que nos leve à feliz eternidade. O próprio Jesus nos adverte quando diz: “Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, este tem a vida eterna e não será condenado, mas passou da morte para a vida” (Jo 5,24). Cristo nos coloca duas condições: ouvir e crer e seguir-lhe os passos com generosidade e perseverança.
As pessoas que se desesperam com a morte de um ente, por mais querido que seja, demonstram que não ouviram a Palavra de Jesus e nem creram nele. Isso não quer dizer que não sintamos a sua ausência e mesmo que choremos à vontade. É um sentimento mais do que natural. Mas nunca o desespero e muito menos lançar “injúrias” a Deus que sabe melhor do que nós o que nos convém.
São Paulo nos adverte quando declara: “Irmãos, não queremos que ignoreis o que se refere aos mortos, para não ficardes tristes como os outros que não têm esperança. Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, cremos também que Deus levará com Jesus os que nele morrerem” (1 Tes 13 s).
Em todas as religiões há um culto especial aos mortos. Isso revela, no fundo, que acreditam na imortalidade. Para nós, cristãos, é uma certeza, ainda que ignoremos o "como" isso se dá, pois ninguém veio de lá para nos contar como as coisas acontecem. Muitas vezes me coloco a meditar como será a nossa entrada no céu, na morada eterna. Cristo nos assegurou, no seu evangelho que “há muitas moradas que o Pai preparou para os que lhe são fiéis” (Jo 14,2).
Ao adentrar um cemitério para visitar os túmulos de nossos entes queridos e de outros que lá jazem, um pensamento de otimismo deve inundar o nosso coração, pois um dia ressuscitaremos. É Jesus mesmo que no-lo assevera: “Vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a minha voz e sairão. E aqueles que tiverem feito o bem, deles sairão para a ressurreição que conduz à vida” (Jo 5.28). Essa é a perspectiva daqueles que fizeram o bem durante a sua vida. Quanto aos demais, diz Jesus que “irão a julgamento” que só ele mesmo sabe qual é. O importante é assegurar-mos, com uma vida de santidade, o nosso lugar na morada que o Pai nos preparou. Quem a cada dia faz sua preparação à morte, certamente terá uma passagem tranqüila desta para a outra vida.
Ao visitar um cemitério, não esqueçamos de rezar por todos os que esperam a ressurreição final. E por que rezamos pelos falecidos? Eis o que diz o Catecismo da Igreja Católica: “Aqueles que morrem na graça e amizade de Deus, mas não estão completamente purificados, embora tenham garantida a salvação eterna, passam, após sua morte, por uma purificação, a fim de obterem a santidade necessária para entrarem na alegria do céu. A esse lugar, a Igreja dá o nome de Purgatório” (Cf. nº 1030). Nós podemos colaborar com a conversão destes nossos irmãos nesta situação existencial com nossas orações e sacrifícios. Por isso, mandamos celebrar missas pelas pessoas falecidas. Quando entrarmos na eternidade elas nos reconhecerão e nos agradecerão, na alegre presença do Senhor. Quanto tempo dura esta situação existencial é segredo da eternidade de Deus.
E assim, podemos rezar juntos pelas almas benditas do Purgatório:
 
"Senhor Jesus Cristo, nós te agradecemos a vida eterna que tu nos ofereces.
Abre, Senhor, os nossos ouvidos para ouvirmos a tua palavra.
Concede-nos, a cada dia que passa, a certeza de que a morte foi vencida pela Ressurreição de Jesus Cristo.
Dá-nos, Senhor, coragem, fé e esperança, a fim de vivermos hoje e sempre, a tua verdade.
E concede a nossos entes queridos e às almas mais esquecidas do purgatório, o descanso e a luz eterna. Amém".

Ir. Egídio Luiz Setti - Marista
 
 
Principal Sobre o Santuário Os Freis Galeria de Fotos Horários Notícias Fale conosco  
 

Este site foi visitado 243463 vezes.

© 2009 Santuário São Francisco de Assis - Penápolis. Todos os direitos reservados.