Penápolis, Terça-Feira, 21/11/2017 PrincipalFale conosco
Busca
Principal Sobre o Santuário Os Freis Evangelho do dia Horários Notícias Fale conosco
 
Cadastre seu e-mail e receba uma mensagem de paz em sua caixa postal todas as semanas
Nome
E-mail
Notícias e Comunicados

ADVENTO TEMPO DE ESPERA- 29/11/2013

Advento: Tempo de Espera.
 
Mais um Ano Litúrgico encerra-se abrindo um novo ciclo, um novo tempo. Mas o que seria Ano Litúrgico? Podemos compará-lo com o nosso ano civil. Explico, o Ano Litúrgico é o tempo de Deus celebrado na vida humana de forma sistematizada. Nós seguimos um calendário civil que começa no dia 1 de Janeiro e finda-se no dia 31 de Dezembro. Para nós que vivemos a Liturgia o nosso ano se dá na seguinte forma: O Ano Litúrgico começa com o 1º Domingo do Advento e se encerra na Solenidade de Cristo Rei. Após esse tempo de espera para o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo nós vivemos a Epifania do Senhor, que quer dizer manifestação. Jesus se manifesta e vai anunciar a Boa Nova. Após esse episódio entramos no Tempo Comum onde em nossas missas é narrado os Evangelhos da vida pública de Jesus e o seu caminho. Em meados de fevereiro entramos num tempo forte que nos convida a rever nossa vida e o nosso comprometimento enquanto cristãos, um tempo chamado de Quaresma, que é um período de 40 dias que antecede a Páscoa. Ao final dos  40 dias de purificação e conversão chegamos a Semana Santa,  a semana mais importante para nós católicos.
Iniciamos a Semana Santa com o Domingo de Ramos, onde é narrada a entrada de Jesus em Jerusalém e sua crucificação. Na quinta-feira iniciamos o Tríduo Pascal com a chamada Missa do Lava-pés ou Missa da Ceia do Senhor. Na sexta-feira celebramos a Paixão e Morte de Jesus. No sábado celebramos a Missa da Vigília ou Sábado de Aleluia, e no domingo por fim, a Páscoa de Jesus, sua ressurreição. Depois da celebração da Páscoa, vivemos um período de mais 50 dias para o Pentecostes, que é a vinda do Espirito Santo sobre os Apóstolos, e depois retornamos para o Tempo Comum, e todo o ciclo se repete: Advento, Natal, Tempo Comum, Quaresma e etc.
Dadas as devidas explicações de como funciona o nosso Ano Litúrgico, falaremos do nosso tempo presente, o Advento.
Uma das épocas mais bonitas do ano é o Natal, pois vemos nele uma humanidade maior por parte das pessoas, brotando sentimentos de esperança caridade e felicidade. E por que será? O que nos leva a esse desejo de um mundo melhor mais cheio de paz, bondade, um mundo sem violências e tantas coisas negativas que vemos? Um questionamento nos aparece.
A palavra Advento é usada em muitos sentidos, na antiguidade para os pagãos indicava a “vinda” do seu Deus. Em determinada época do ano eles se reuniam e preparavam-se parar um certo dia adorar e festejar sua estátua.
Para nós católicos, a palavra Advento tem o sentido de “visita”. Nos preparamos para a visita de Deus. Ele em toda sua majestade desce do céu e visita o seu povo, vimos isso claramente na pessoa de Jesus. Sabendo, pois que Jesus virá nos visitar nós nos preparamos para que isso aconteça.
O Advento é o tempo de preparação.
Diante dessa pequena explicação podemos nos questionar: Mas Jesus já não nasceu? Ele já não veio ao mundo? Jesus já não nos “visitou”? Para responder essa pergunta olhemos um pouco para a nossa sociedade, os pais de família que bebem e chegam bêbados em casa e bate na sua esposa e nos seus filhos, já recebeu a visita de Jesus? E os jovens que estão no mundo dos vícios. Será que eles já aceitaram a mensagem de Jesus ou se prepararam para sua visita? Certamente não. Aí que dá sentido o tempo do advento, pois ele vem nos chamar para prepararmos a casa do nosso coração para acolher o Menino Deus. É sempre bom fazermos um exame de consciência nessa época do ano e revermos tudo o que aconteceu no decorrer desse ano que não foi bom e que precisamos melhorar no próximo ano. Que não fiquemos presos as nossas promessas de fim de ano e partamos para a ação, para que de fato tudo seja melhor. Pois se não nos comprometermos para que as coisas mudem, elas não mudarão. É como se Jesus chegasse, nos visitasse e fosse embora. Temos que cuidar com carinho do Jesus que trazemos no peito, com muita facilidade nos esquecemos que comungamos todos os domingos.
Nossa sociedade vejo como uma máquina que está em funcionamento 24 horas por dia, ela não para! Aliás, não paramos. Saiba que é cientificamente comprovado que nossa sociedade é impaciente? Não sabemos esperar. Queremos tudo aqui e agora. E sabe por que somos assim? É simples, somos uma sociedade afetada pela tecnologia e os meios fáceis de comunicação. Por isso ao nos depararmos com uma fila gigantesca no banco, uma carta que demora para chegar, um pedido que fazemos e na hora não é executado, nos tornamos impacientes e nervosos. Os aparelhos tecnológicos nos satisfazem pelo fato de que tudo o que queremos ele nos dá de imediato, não é preciso esperar. Isso é drástico! Pois sendo assim, seremos pessoas frustradas diante das situações de contrariedade e espera. Advento: tempo de espera, tempo de visita. Que graça é isso! Esperar de forma vigilante e silenciosa a vinda de Jesus, sem nos preocuparmos com tantas coisas que às vezes, quando menos esperamos passam, não desvalorizando nossos sofrimentos, pois eles nos fazem crescer. Mas sim, alertarmo-nos para isso: É necessário esperar. Sem espera não vemos a vontade de Deus, não realizamos o Natal de Jesus.
Neste tempo de Advento peçamos que Deus nos ilumine e nos dê a graça de, confiantes esperar nele. Pois a nossa sociedade é tão alienada e depressiva devido as frustrações da falta de espera e da falta de paciência. Que o sentido da espera nos enriqueça e nos faça feliz, que tenhamos a certeza de que Cristo nascerá e fará morada em nossos lares e corações.
 
                                                                                                                      Allaf Barros
Aspirante Franciscano Capuchinho
 
 
Principal Sobre o Santuário Os Freis Galeria de Fotos Horários Notícias Fale conosco  
 

Este site foi visitado 227598 vezes.

© 2009 Santuário São Francisco de Assis - Penápolis. Todos os direitos reservados.