Penápolis, Quarta-Feira, 20/09/2017 PrincipalFale conosco
Busca
Principal Sobre o Santuário Os Freis Evangelho do dia Horários Notícias Fale conosco
 
Cadastre seu e-mail e receba uma mensagem de paz em sua caixa postal todas as semanas
Nome
E-mail
Notícias e Comunicados

SANTO ANTÔNIO - O Santo das multidões- 07/06/2013

                           Santo Antônio – o Santo das multidões
Na próxima quinta-feira, dia 13 de junho, celebraremos um dos santos mais populares: Santo Antônio (de Pádua ou Lisboa). Ele nasceu em Lisboa, Portugal, em 15 de agosto de 1195, recebendo o nome de batismo de Fernando de Bulhões, descendente da família de Godofredo de Bulhões, chefe da primeira cruzada do século XI. Era primogênito de uma família nobre, poderosa e rica. Os pais o encaminharam aos estudos, desejando que ele se tornasse um magistrado ou um bispo. Porém, bem cedo, começou a desiludir as miragens ambiciosas dos pais. Deus o atraía e ele não opôs resistência.
Ele amava intensamente a oração. Uma pitoresca lenda narra que um dia, na catedral de Lisboa, enquanto rezava, o menino afugentou o demônio traçando o sinal da cruz no chão. Aos 15 anos de idade, deixa seu rico palácio, seus familiares, que são contrários, e vai se trancar na abadia de São Vicente, na periferia de Lisboa, pertencente aos Cônegos Regulares de São Agostinho. A estes religiosos é que Fernando deve toda a sua formação intelectual, que o faz um dos homens mais cultos da Igreja, na Europa, nos princípios do século XIII. Pouco tempo depois, foi transferido para outra abadia, o Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, que era a capital do reino de Portugal. Com 25 anos, ainda agostiniano, é ordenado sacerdote. Neste ano, Santo Antônio teve a grande virada no eixo de sua história: é de comum acordo que no mesmo ano em que passa de Cônego Regular Agostiniano para seguir as pegadas de um novo fundador: Francisco de Assis. Três são as razões que influenciaram na mudança de Ordem: a) a estagnação de sua congregação e a falta do espírito apostólico e de idealismo da mesma; b) a nova Ordem que estava nascendo estava na sua “lua de mel”; cheios de vigor e idealismo, esses frades adotavam os elementos essenciais da vida religiosa tradicional, mas dela se afastavam em vários aspectos: não tinham mosteiros, nem residências fixas, nem segurança econômica, pois professavam pobreza absoluta em comum e em particular, dedicavam-se à atividade missionária com pretensões de conquistar o mundo para Jesus Cristo; c) os cinco mártires franciscanos assassinados em Marrocos, cujos corpos trazidos para Coimbra e, por coincidência, ao mesmo mosteiro de Santa Cruz, onde vivia o Santo. As antigas biografias narram que, na ocasião, Fernando, levado pelo desejo de imitar o heroísmo dos frades, pediu ingresso na nova Ordem. Ao receber o burel franciscano, Fernando deixa atrás também o seu antigo nome acolhendo outro: Antônio, ou seja, Frei Antônio. Ele recebeu esse nome oriundo do padroeiro do conventinho dos frades menores em Coimbra; naqueles tempos davam-se um nome novo a todos os que ingressavam na Ordem (esse costume durou até o início do Vaticano II). A palavra Antônio quer significar “altitonante” (que troveja nas alturas, retumbante, estrondoso, estrepitoso).
No final de 1220 ele viajou a Marrocos, onde pretendia realizar o sonho missionário. Mas ficou doente e precisou retornar. Já recuperado, viajou para Assis, a fim de tomar parte no Capítulo das Esteiras (Pentecostes de 1221) e aí teve seu primeiro encontro com São Francisco de Assis. Após o Capítulo Geral, o frade português foi morar no eremitério de Monte-Paolo, perto de Forli, na Província da Romanha (região setentrional da Itália). Como luz debaixo de uma vasilha, por ocasião de uma ordenação sacerdotal, pôs-se às claras o dote oratório de Frei Antônio, que até então cuidava somente da cozinha e da horta. Tomaria rumo assim sua atividade futura, preponderantemente devotada à pregação popular, ao lado do magistério teológico e da direção de comunidades de frades.
Ele possuía um vasto conhecimento de teologia, por isso o santinho de Assis o convidou a ministrar a sagrada teologia aos frades.
Que Santo Antônio, esse homem de oração e de simplicidade, interceda por todos nós para que possamos, através da oração e da simplicidade, estar sempre nas pegadas do nosso Mestre Jesus Cristo.
Frei Juracy Aguiar, OFMCap (membro da PROCASP)
 
 
 
Principal Sobre o Santuário Os Freis Galeria de Fotos Horários Notícias Fale conosco  
 

Este site foi visitado 225147 vezes.

© 2009 Santuário São Francisco de Assis - Penápolis. Todos os direitos reservados.