Penápolis, Quarta-Feira, 14/11/2018 PrincipalFale conosco
Busca
Principal Sobre o Santuário Os Freis Evangelho do dia Horários Notícias Fale conosco
 
Cadastre seu e-mail e receba uma mensagem de paz em sua caixa postal todas as semanas
Nome
E-mail
Notícias e Comunicados

AGOSTO, MÊS DAS VOCAÇÕES- 01/08/2009

Se eu não existisse, Ninguém iria notar minha ausência; nem notaria a ausência de qualquer outro ou outra que existisse. Mas, antes de eu existir, Deus já me conhecia e amava; por isso me chamou à vida: sou criatura sua. Cada pessoa é criatura de Deus, amada e convidada por ele ao banquete da vida. A vida é, assim, o primeiro chamado de Deus, a primeira vocação.
Se a vida já é vocação, devo-lhe uma resposta. Qual será a resposta que Deus espera de mim? Certamente a vida tem um sentido a descobrir, uma obra a realizar. E ninguém o faz em meu lugar.
 
Vocação Humana
 
Quem sou eu? De onde vim? O que busco? Quem é você? Qual é a sua identidade? - é o que logo você ouve quando vai fazer matrícula na escola, quando viaja, quando abre um crediário, quando vai tirar carteira profissional, e outras coisas mais.
Quem é você? Você tem um nome! - José, Regina, Alberto,... Você tem uma data de nascimento.
Quem sou eu? Não sou uma coisa. Sou alguém capaz de crescer, de pensar, de escolher, de amar e de ser amado. Eu sou uma pessoa. Isto quer dizer muito, quer dizer que sou feito à imagem e semelhança de Deus, que me criou com muito amor! Sou gente. Sou uma pessoa: sou um ser consciente e responsável, um ser aberto à comunicação, à partilha, à comunhão no amor. Sou uma realidade única!
Somos realmente imagem e semelhança de Deus, porém não somos deuses. Não somos o que Ele é.
 
·        Deus é inteligência — nós temos inteligência.
·         Deus é sabedoria — nós temos sabedoria.
·         Deus é amor - nós somos chamados para amar
 
Podemos concluir então que Deus está em nós e nós estamos nele. Ele é o criador e nós suas criaturas criadas à sua imagem e semelhança.
"E Deus criou o homem à sua imagem; à imagem de Deus Ele o criou; e os criou homem e mulher". (Gn 1, 7)
Como podemos desenvolver comportamentos que revelem que sou realmente imagem de Deus? Através do que eu faço, vou sentindo esta imagem de Deus em mim. Está nas minhas mãos tornar isso possível, com o auxílio de Deus e dos irmãos.
 
Dimensões da Vocação
 
Dentro da Igreja, a vocação pode ser entendida em três dimensões: a Humana, a Cristã e a Específica.
 
Dimensão Humana: é aquela vocação que recebemos gratuitamente de Deus; a primeira vocação do homem é o chamado à existência, é desenvolver a dignidade humana. A vocação humana é fundamental, pois sem desenvolvê-la é impossível sermos cristãos, pois antes de sermos cristãos, somos humanos; desse modo, devemos desenvolver todas as nossas potencialidades que foram dadas por Deus, em prol do semelhante, de uma sociedade mais justa e fraterna.
 
Dimensão Cristã: compreende todos os batizados; nesta vocação, o chamamento é para seguir Jesus Cristo, imitá-lo e ser como ele. A vocação cristã, independente de que a pessoa siga o caminho de ser padre ou freira ou assuma o matrimônio ou não, deve vir antes de qualquer escolha. Ninguém pode ser padre, por exemplo, se não for cristão; a pessoa tem de fazer a experiência de Jesus Cristo, o testemunho de Jesus, assumir os valores do Evangelho, depois sim, essa pessoa pode escolher ser padre ou outra função religiosa. Então, todo batizado, que se torna filho de Deus, deve assumir essa filiação, procurando imitar Jesus Cristo que foi o Filho muito amado de Deus Pai.
 
Dimensão Específica: são aquelas que caracterizam o estado de vida de uma pessoa. Temos a vocação laical, que é a vocação dos leigos que têm o objetivo de santificar o mundo, as estruturas sociais; a vocação laical tem várias subdivisões, como a do matrimônio, do leigo consagrado, do solteiro. Temos ainda as vocações dos ministérios ordenados, que são voltados aos fiéis que recebem o sacramento da ordem. Elas se subdividem em três dimensões: do diaconato, do presbiterato e do episcopado. Há também a vida consagrada, que são os homens e mulheres que se consagram observando os votos de castidade, pobreza e obediência e procurando viver o carisma de um fundador, como os franciscanos, por exemplo, seguem o carisma de São Francisco de Assis. Por fim, há a vocação missionária, que é o chamamento àquele cristão que vai a uma terra distante procurando levar o Evangelho de Jesus, sendo que, tanto um padre, consagrado ou leigo pode participar dessa vocação.
 
 
QUEM SOU EU?
 
Preciso descobrir, a esta altura da vida, quem sou eu.
Na ficha do banco, apareço como cliente.
No restaurante, sou freguês. 
Quando alugo uma casa, sou inquilino.
Na condução, sou passageiro. 
Nos Correios, sou remetente.
No supermercado, sou consumidor.
Para a Receita Federal, sou contribuinte.
Com o prazo vencido, sou inadimplente; se não pago, sou sonegador.
Para votar, sou eleitor; mas no comicio sou massa.
Nas viagens, sou turista.
Na rua, caminhando, sou pedestre; se me atropelam, viro acidentado.
No hospital, transformo-me em paciente.
Para os jornais, sou vítima.
Se compro um livro, em me torno leitor.
Se ligo o rádio, sou ouvinte.
Para o Ibope, sou espectador.
No futebol, eu, que já foi torcedor, virei galera.
Quando eu morrer, ninguém vai se lembrar de meu nome: vão me chamar de defunto!
 
Mas, na realidade, não sou apenas um nome ou um número!
Sou filho de Deus; alguém amado por Jesus, que por mim deu sua vida morrendo na cruz.
Ressuscitando, Ele quer que eu seja vivo, atuante e com uma missão a cumprir, muito mais que cliente, freguês, inquilino, passageiro...
 
 
Agosto – Mês Vocacional
 
O mês de agosto é dedicado às vocações.
É um mês voltado para a reflexão e a oração pelas vocações e os ministérios, de forma a pedir a Deus pessoas que sejam verdadeiros pastores e sinais de comunhão e unidade no seio da Igreja.
Instituído na 19ª Assembléia Geral da CNBB em 1981, o Mês Vocacional tem como objetivos conscientizar as comunidades da responsabilidade que elas compartilham no processo vocacional. Presente na maioria das paróquias, a Pastoral Vocacional tem buscado celebrar este mês com animação e criatividade tendo sempre por fim suscitar novas vocações.
Durante o mês cada domingo é reservado para a reflexão e celebração de uma determinada vocação:

Primeiro Domingo – Vocações Sacerdotais – Dia do Padre
 
No primeiro domingo do mês vocacional celebramos o Dia do Padre inspirado pela festa de S. João Maria Vianney, patrono do clero. O ministério sacerdotal está a serviço de todos os demais serviços na vida Igreja. A pessoa do padre tem um valor muito grande para a comunidade uma vez que a ele foi confiada a missão de evangelizar. O sacerdote age em nome de Cristo e é seu representante dentro daquela comunidade. Ao padre compete ser pastor e pai espiritual para todos sob sua responsabilidade. Pela caridade pastoral, ele deve buscar ser sinal de unidade e contribuir para a edificação e crescimento da comunidade de forma que ela torne-se cada vez mais atuante e verdadeira na vivência do Evangelho.
Os diáconos são celebrados no dia 10 de agosto, na festa de S. Lourenço. Tendo recebido o sacramento da Ordem, os diáconos estão a serviço dos padres e bispos, no exercício da caridade e do anúncio do Evangelho. A presença do diácono é uma grande benção para todas as comunidades.

Segundo Domingo – Vocação Familiar – Dia dos Pais
 
Neste domingo celebramos a vocação da família na pessoa do pai. Em tempos de violência e perda de valores, a valorização da família é essencial para a sociedade como um todo. A família é chamada por Deus a ser testemunha do amor e da fraternidade, colaboradora da obra da Criação.
O Pai na família é fundamental. Seu papel de educador, em colaboração com a mãe, é um dos pilares da unidade e bem estar familiar cujos frutos são filhos bem formados e conscientes do que significa ser cristão e cidadão. O pai é representante legítimo de Deus perante os filhos e é sua missão conduzi-los nos caminhos de Cristo, da verdade, da justiça e da paz. Cabe aos pais que o amor, compaixão e harmonia reinem no lar.
Ser pai é buscar um mundo melhor para os filhos e demonstrar que a família deve sempre ser a base da nossa sociedade.

Terceiro Domingo – Vocações Religiosas – Dia da Vida Religiosa
 
No terceiro domingo do mês vocacional, a Igreja lembra dos religiosos. Homens e mulheres que consagraram suas vidas a Deus e ao próximo. Desta vocação brotam carismas e atuações que enriquecem nossas comunidades com pessoas que buscam viver verdadeiramente seus votos de castidade, obediência e pobreza. São testemunhos vivos do Evangelho.
Perseverantes, os religiosos estão a serviço do Povo de Deus por meio da oração, das missões, da educação e das obras de caridade. Com sua vida consagrada, eles demonstram que a vida evangélica é plenamente possível de ser vivida, mesmo em mundo excessivamente material e consumista. São sinais do amor de Deus e da entrega que o homem é capaz de fazer ao Senhor.

Quarto Domingo – Vocações Leigas - Dia dos Ministérios Leigos
 
Neste dia celebramos todos os leigos que, entre família e afazeres, dedicam-se aos trabalhos pastorais e também missionários. Os leigos atuam como colaboradores dos padres na catequese, na liturgia, nos ministérios de música, nas obras de caridade e nas diversas pastorais existentes.
Ser leigo atuante é ter consciência do chamado de Deus a participar ativamente da Igreja e do Reino contribuindo para a caminha e o crescimento das comunidades rumo a Pátria Celeste. Todo leigo tem um carisma e recebe dons de Deus que são colocados a serviço do próximo pelo bem de todos. Assumir esta vocação é doar-se pelo Evangelho e estar junto a Cristo em sua missão de salvação e redenção.
Nos anos em que o mês de agosto possui cinco domingos, a Igreja celebra neste dia o ministério do Catequista. Os catequistas são, por vocação e missão, os grandes promovedores da fé na comunidade cristã preparando crianças, jovens e adultos não só para os sacramentos, mas também para darem testemunho de Cristo e do Evangelho no mundo.
 
Fonte: Catedral.org.br
 
 
ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES
 
Senhor da Messe e pastor do rebanho faz ressoar em nossos ouvidos teu forte e suave convite: “Vem e segue-me”. Derrama sobre nós o teu Espírito, que ele nos dê sabedoria para ver o caminho e generosidade para seguir tua voz.
Senhor, que a messe não se perca por falta de operários, desperta nossas comunidades para a missão, ensina nossa vida a ser serviço, fortalece os que querem dedicar-se ao Reino na vida consagrada e religiosa.
Senhor, que o rebanho não pereça por falta de pastores. Sustenta a fidelidade de nossos bispos, padres, diáconos, religiosos e ministros. Dá perseverança a nossos seminaristas. Desperta o coração de nossos jovens para o ministério pastoral em tua Igreja.
Senhor da Messe e pastor do rebanho chamados para o serviço de teu povo. Maria, Mãe da Igreja, modelo dos servidores do Evangelho, ajuda-nos a responder o SIM. Amém!
 
 
Principal Sobre o Santuário Os Freis Galeria de Fotos Horários Notícias Fale conosco  
 

Este site foi visitado 243463 vezes.

© 2009 Santuário São Francisco de Assis - Penápolis. Todos os direitos reservados.