Penápolis, Sexta-Feira, 22/09/2017 PrincipalFale conosco
Busca
Principal Sobre o Santuário Os Freis Evangelho do dia Horários Notícias Fale conosco
 
Cadastre seu e-mail e receba uma mensagem de paz em sua caixa postal todas as semanas
Nome
E-mail
Arauto do Evangelho

Arauto do Evangelho

Nasceu em Assis, na Úmbria, Itália, entre 1181 a 1182; deram-lhe o nome de João no batismo, mas uma circunstância casual - o fato de o pai se encontrar na França quando ele veio à luz - determinou que fosse sempre designado com o nome de Francisco, que quer dizer o Francês.

Não nasceu santo, pois até aos 25 anos viveu como um de tantos outros jovens: alegre, divertido e amigo de festas.
Para defender a sua terra contra Perúsia, tomou as armas aos 20 anos e foi aprisionado. Em 1202 alistou-se outra vez, desta vez nas hostes do papa Inocêncio III. Mas um sonho inesperado desviou-o do caminho da batalha. Ouviu que o chamavam pelo nome, lhe davam uma palmada no ombro e o levavam a formoso palácio, em que habitava uma belíssima noiva. Tudo isto devia referir-se a ele e aos que o seguissem. Alentado com o sonho, saiu para a Apúlia, e em Espoleto ouviu outra voz: «Francisco, a quem é melhor servir, ao amo ou ao criado?» Ele respondeu que ao amo. «Porque, então, transformas o amo em criado?», replicou a voz. A alma abriu-se-lhe à luz e respondeu, como Paulo: «Que queres que eu faça?» - «Volta ao lugar do teu nascimento e lá te será dito o que deves fazer».
De Espoleto voltou inteiramente mudado a Assis. Todos o notaram; já não era o jovem divertido de antes. Foi como peregrino a Roma e, para experimentar o que era a pobreza, comprou os farrapos a um mendigo e passou um dia inteiro, à porta de São Pedro, pedindo esmola.
Fora dos muros, não longe de Assis, havia uma igreja, a de São Damião, que ameaçava ruína. Francisco entrou para orar e ouviu: «Francisco, vai e repara a minha Igreja». Não foi preciso mais para se consagrar com toda a alma à reparação da ermida. Vendeu alguns panos, o cavalo e começou a pedir esmola; tudo entregou ao padre de São Damião. Reparou-se a igreja, mas Francisco continuou a mendigar. A rapaziada ria-se dele, atirava-lhe pedras e lodo; o próprio pai, envergonhado e irado, deserdou-o.
O seu pai continuava a amaldiçoá-lo todas as vezes que o encontrava com o vestuário de mendigo. Um dia tomou consigo Francisco um pobre e disse-lhe: «Vem comigo e, quando ouvires o meu pai a amaldiçoar-me, eu dir-te-ei: - Abençoa-me, pai - . E tu farás sobre mim o sinal da cruz».
No campo de Assis havia uma ermida de Nossa Senhora, chamada Porciúncula. Foi o lugar predileto de Francisco e dos seus companheiros, pois na primavera do ano de 1200 já não estava só; tinham-se unido a ele alguns valentes que pediam também esmola, trabalhavam no campo, pregavam, visitavam e consolavam os doentes.
No Outono de 1212 embarcou em Ancona com idéia de passar à Síria para pregar aos Turcos. Uma tempestade obrigou-o a voltar à Itália e em 1213 saiu para Espanha, e segundo reza a tradição esteve mesmo em Portugal, a caminho da África; mas adoeceu e teve de voltar atrás.
Em 1215 e 1217 visitou novamente Roma, a seguir a França e em Junho de 1219 embarcou para o Oriente: Chipre, São João de Acre e Egito. Em Damieta pregou o Evangelho na própria corte do Sultão. Voltou em 1220 a São João de Acre, na costa da Síria e peregrinou até aos Lugares Santos.
Quando voltou a Itália no verão de 1220, encontrou a Fraternidade dividida. Parte dos Frades não compreendia a simplicidade do Evangelho. No Capítulo Geral de 1219 tinham-se reunido cerca de 5.000 frades e no de 1221 Francisco esforçou-se por impor o genuíno espírito da Fraternidade, tal como ele o concebia.
Os dois anos seguintes foram a sua agonia. Da viagem do Oriente tinha voltado muito quebrantado.
Em 1224, no retiro do Monte Alverne, chegou à máxima união a Cristo Senhor com a impressão das cinco chagas no seu corpo, e trouxeram-no de lá como relíquia viva. Aproximava-se a morte e quis que o levassem para Assis, onde chegou cego e onde o receberam os seus conterrâneos como Santo, não como mortal. Em São Damião compôs o hino do Irmão Sol e a seguir retirou-se para morrer na Porciúncula.
As sombras cobriam a planície, mas os cumes estavam iluminados pelo sol, símbolo da fraqueza corporal de Francisco e da sua grandeza espiritual.
Assim foi o Santo!
 
 
 
 
 
Principal Sobre o Santuário Os Freis Galeria de Fotos Horários Notícias Fale conosco  
 

Este site foi visitado 225230 vezes.

© 2009 Santuário São Francisco de Assis - Penápolis. Todos os direitos reservados.